quarta-feira, 16 de agosto de 2017

«Eu estou no meio deles»

Aquele que celebra sozinho no coração do deserto 
É uma assembleia numerosa. 
Se dois se unirem para celebrar entre os rochedos, 
Aí estarão presentes milhões, miríades. 
Se três se reunirem, 
Um quarto estará no meio deles. 
Se forem seis ou sete, 
Estarão reunidos doze mil milhões. 
Se se puserem em fila, 
Encherão o firmamento de orações. 
Se estiverem crucificados sobre a rocha, 
E marcados com uma cruz de luz, 
A Igreja estará fundada. 
Se estiverem reunidos, 
O Espírito plana sobre as suas cabeças. 
E, quando terminam a sua oração, 
O Senhor levanta-Se e serve os seus servidores (cf Lc 12,37; Jo 13,4)

Efrém (c. 306-373), diácono da Síria, doutor da Igreja 
Hino inédito 

sábado, 12 de agosto de 2017

«Se morrer, dá muito fruto»

Ao ver que levavam o bispo Sixto para o martírio, Lourenço pôs-se a chorar. Não era o sofrimento do seu bispo que lhe arrancava lágrimas, mas o facto de este partir para o martírio sem ele. Por isso, pôs-se a interpelá-lo nestes termos: «Onde vais, meu pai, sem o teu filho? Apressas-te tanto em direção a quê, sem este teu diácono? Tu tinhas por hábito nunca oferecer o sacrifício sem ministro! [...] Dá pois prova de que escolheste um bom diácono, a quem confiaste o ministério do sangue do Senhor, com quem partilhas os sacramentos; recusar-te-ás a comungar com ele no sacrifício do sangue?» [...] 

Sixto respondeu a Lourenço: «Não te esqueço, meu filho, nem te abandono. Mas deixo-te maiores combates. Sou velho e já só aguento uma luta ligeira. Mas tu és jovem e hás de obter um triunfo bem mais glorioso contra o tirano. Logo virás ter comigo. Seca essas lágrimas. Dentro de três dias, seguir-me-ás.» [...] 

Três dias depois, foi dada ordem de prisão a Lourenço. Ordenaram-lhe que levasse os bens e os tesouros da igreja e ele prometeu obedecer; no dia seguinte, apresentou-se na companhia dos pobres. Perguntado onde estavam os tesouros que devia ter levado, apontou para os pobres, dizendo: «Eis os tesouros da Igreja. Teria Cristo tesouros melhores que estes, acerca dos quais disse: "Sempre que fizestes isto a um destes meus irmãos mais pequeninos, a Mim mesmo o fizestes"?» (Mt 25,40) Lourenço apresentou aqueles tesouros e saiu vencedor, porque o seu algoz não teve vontade de lhos tirar. Mas, cheio de raiva, mandou-o queimar vivo.

Ambrósio (c. 340-397), bispo de Milão 
Sobre os Ofícios dos ministros I, 84; II, 28; PL 16, 84